3 de abr de 2016

Dicas para descanso mental


- O que acontece se o cérebro exige um tempo substancial de descanso para permanecer focado e incansável e gerar suas ideias mais inovadoras? “A ociosidade não é só um período de férias, uma indulgência ou um vício. Ela é tão indispensável para o cérebro como a vitamina D é para o corpo e sem ela sofremos uma aflição mental que desfigura tanto quanto o raquitismo”, escreveu o ensaísta Tim Kreider no The New York Times. “O espaço e a tranquilidade que o ócio proporciona são uma condição necessária para se afastar da vida e vê-la como um todo, para fazer conexões inesperadas e esperar que os violentos relâmpagos de verão estimulem a inspiração — ela é, paradoxalmente, necessária para realizar qualquer trabalho”.

- [..]a maioria das pessoas só consegue se engajar em uma prática deliberada, ou seja, forçar-se a exceder seus limites atuais, por uma hora sem descanso. [...]pessoas extremamente talentosas em muitas disciplinas diferentes — em música, nos esportes, ou na escrita — raramente praticam mais de quatro horas por dia em média e que muitos especialistas preferem começar a treinar de manhã cedo, quando as energias mental e física estão prontamente disponíveis.


- Férias têm benefícios reais. Elas provavelmente revitalizam o corpo e a mente ao distanciarem as pessoas do estresse associado ao trabalho e mergulhá-las em lugares, gastronomias e círculos sociais novos, que por sua vez podem levar a ideias e insights originais, além de dar às pessoas a oportunidade de dormir bem à noite e permitir que suas mentes vagueiem de uma experiência para outra, em vez de forçarem seus cérebros a se concentrar em uma única tarefa por muitas horas de cada vez. 

- Schwartz e seus colegas incentivam trabalhadores a dormir de sete a oito horas todas as noites, usar todos os seus dias de férias, tirar cochilos de energia e muitas pausas breves durante o dia, praticar meditação, e lidar com a tarefa mais desafiadora como primeira coisa logo de manhã para que possa lhe dedicar toda a sua atenção.

- Considere, por exemplo, o quanto um cochilo curtíssimo no meio do dia revigora a mente.

- Meros sete a 10 minutos de sono podem ser suficientes para restaurar os neurônios do circuito alerta (desperto). 

- Uma solução igualmente administrável e provavelmente bem mais restauradora para a fadiga mental é passar mais tempo ao ar livre, à noite, nos fins de semana, e até durante os intervalos do almoço, ao caminhar até um parque próximo, um lugar à beira de um rio ou qualquer espaço não dominado por arranha-céus e ruas urbanas.

- Um dia de caminhada em uma reserva natural, onde a mente está livre para mudar seu foco do canto de pássaros aos sons borbulhantes do fluxo de rios à luz solar que penetra por cada lacuna nos galhos de árvores, espalhando-se pelo chão da floresta.

- Além de renovar a capacidade de concentração de uma pessoa, o tempo de inatividade pode de fato fortalecer o músculo da atenção.

- A meditação consciente, por exemplo, em geral se refere a um foco sustentado dos nossos pensamentos, emoções e sensações em um dado momento presente.

- O tempo de inércia é uma oportunidade para o cérebro processar o que aprendeu recentemente, trazer à tona tensões fundamentais não resolvidas em nossas vidas e articular seus poderes de reflexão para longe do mundo externo em direção a si mesmo.


Trechos extraídos do artigo da Revista Scientific American Brasil:  Por que sua mente precisa repousar. Por Ferrir Jabr
Disponível em :<http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/por_que_sua_mente_precisa_repousar.html>